UM CENTRO COM QUALIDADE TOTAL

 O CPQBA como Centro credenciado

A prestação de serviços é um dos pontos fortes de atuação do CPQBA. Nos últimos anos foram realizados investimentos para ampliação destas atividades, além de esforços direcionados à obtenção de habilitação de análises junto aos órgãos regulamentadores, como Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Entre protocolos habilitados pelo CPQBA estão as análises de resíduos de pesticidas e controle de qualidade de medicamentos e fitofármacos, análises toxicológicas e farmacológicas, análises microbiológicas de ar de ambientes climatizados, de cosméticos e alimentos e de avaliação de antimicrobianos, as quais são realizadas continuamente no CPQBA por solicitação da indústria, em especial daquelas que necessitam de renovação e registro de seus produtos junto a Ministérios e órgãos governamentais.

Em 1999 iniciou-se o Projeto Qualidade Total do CPQBA devido à importância da certificação e à crescente exigência por parte das empresas clientes. O direcionamento das atividades administrativas em atendimento à norma ISO 9001 e a habilitação de atividades de prestação de serviços pela ANVISA em 2002, em atendimento à norma ABNT NBR ISSO/IEC 17025, permitiram que seus laboratórios se tornassem referência nas áreas de controle de qualidade em plantas medicinais, medicamentes e fitofármacos. Também em 2002, o CPQBA foi credenciado pela ANVISA para a realização de ensaios nas áreas de cosméticos e saneantes. Em 2003 foram obtidos os credenciamentos nas áreas de microbiologia ambiental e análise de resíduos de pesticidas.

INÍCIO DO PROGRAMA DA QUALIDADE

O processo de implantação de um sistema da qualidade em um Centro de pesquisas como o CPQBA foi lento e gradual, contando com a participação progressiva de grande parte de seus funcionários. Em 1999, a pedido do então diretor do CPQBA, Professor João da Rocha Pereira, a pesquisadora Carmen Lúcia Queiroga tornou-se a primeira gerente de qualidade do CPQBA.

Inicialmente, foram realizados no SEBRAE (total de 76 horas) cursos de preparação para a implantação do sistema de qualidade. Outro curso de formação realizado pela gerente e pela equipe que trabalhou inicialmente na implantação do programa de qualidade foi o de formação de auditores internos da qualidade, realizado no próprio CPQBA por uma empresa especializada.

A partir daí, contando com a colaboração do conjunto de profissionais das várias Divisões do CPQBA, iniciaram-se as primeiras atividades. Ações aparentemente simples como as de descarte, organização, limpeza, higiene e ordem mantida passaram a serem avaliadas por protocolos específicos durante a realização de auditorias internas e externas. Para a adequação foram necessários descartes de cerca de 8 toneladas de material metálico acumulado desde os tempos da empresa Monsanto.

“Éramos preparados para conscientizar as pessoas. De 15 em 15 dias tínhamos palestras para todo o pessoal do Centro, envolvendo desde diretores e pesquisadores até técnicos e funcionários. É importante lembrar que o programa só funciona se a diretoria apoiar a ação, a qual teve a ideia da implantação da qualidade naquela época, daí veio o sucesso do programa”, acredita Carmen Queiroga.

“...o Programa de Qualidade Total foi iniciado também com o objetivo de aprimorar o relacionamento entre os funcionários do Centro de Pesquisa, seus fornecedores e clientes através da mudança de conceitos e da realização de suas atividades habituais de maneira inovadora e integralmente gerenciada.”

Outro pesquisador do CPQBA que teve uma participação direta nas atividades do sistema da qualidade foi Alexandre Nunes Ponezi, entre os anos de 2002 e 2005, como segundo gerente da qualidade do CPQBA. Após a implantação da ISO 9001 e a obtenção da certificação de ensaios junto à ANVISA, o Programa de Qualidade Total permaneceu em contínuo e dinâmico andamento, com a reformulação do manual da qualidade, documento que sinaliza as ações de prestação de serviços do Centro.

“O sistema de qualidade é uma questão de sobrevivência e adequação no mercado. No CPQBA são seguidas a ISO 9001 e também a Norma 17025 para a parte administrativa e de laboratórios”, informa Ponezi.

Com a implantação da norma ISSO 17025 foi possível a habilitação de ensaios analíticos junto à ANVISA. “O principal objetivo é o de passar para a prestação de serviços a mesma qualidade de uma pesquisa acadêmica. Recentemente, finalizamos a revisão do manual da qualidade. Este serve como uma orientação geral e é composto por objetivos e metas anuais”, explica o atual gerente da qualidade do CPQBA, o microbiologista Edilberto Princi Portugal.

FRUTO DO SISTEMA DE QUALIDADE

A certificação junto aos órgãos oficiais permitiu a manutenção e expansão das atividades de prestação de serviços do CPQBA. Outro efeito positivo proporcionado pela implantação de um sistema de qualidade foi a melhora na divulgação do Centro de Pesquisas.

Além disso, um Centro que é auditado e certificado por um padrão de qualidade acaba por difundir esta organização também para a área de pesquisa, tornando as pesquisas acadêmicas ainda mais rigorosas.

O sistema da qualidade é também responsável por um aumento na aceitação da prestação de serviços pelos clientes e na credibilidade das análises: primeiro, por se tratar de um Centro de Pesquisas ligado a uma Universidade reconhecida como a UNICAMP e, em segundo lugar, por possuir também uma certificação de qualidade para seus ensaios.

O programa de qualidade permitiu também uma análise mais crítica dos pedidos de prestação de serviços e do conhecimento da capacidade de trabalho do Centro de Pesquisas.

“Temos ainda a vantagem de sermos um laboratório imparcial e neutro para a avaliação de produtos, por não termos compromisso com nenhuma das partes envolvidas em questões relativas às análises. Daí também a importância em agregar valor continuamente ao sistema da qualidade”, acredita o ex-gerente da qualidade Alexandre Ponezi.

  “Com a implantação da norma ISO 17025 foi possível a habilitação de ensaios analíticos junto à ANVISA.”

Embora a atual legislação imponha sérias restrições sobre o credenciamento dos laboratórios de análises com fins oficiais, o CPQBA obteve este tipo de certificação, sendo os relatórios emitidos pelo Centro aceitos por diversos órgãos oficiais.

Posteriormente, outras instituições de pesquisa passaram a procurar também certificações e a implantação de sistemas da qualidade. “Estamos sendo pioneiros neste sentido na Universidade e temos sido consultados a este respeito por outras unidades da UNICAMP”, avalia Edilberto Princi Portugal.

A QUALIDADE QUE GERA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

O CPQBA segue as normatizações necessárias para atender aos requisitos de Conformidade de Material Biológico do Ministério da Ciência e Tecnologia. Esta atividade é vista como de fundamental importância na atuação da prestação de serviços.

Outro enfoque dado pelo Programa de Qualidade Total diz respeito à manutenção do patrimônio público e segurança dos seus funcionários. Para isso, foram investidos esforços na organização de uma brigada de incêndios, formada por funcionários treinados, uma vez que o CPQBA se localiza em local de acesso demorado e situado nos limites de dois municípios. Nesta ação, iniciada no ano 2000 e que perdura até hoje, os funcionários do Centro recebem treinamento específico do corpo de bombeiros para atuarem no combate a princípio de incêndio e atendimento pré-hospitalar.

De maneira mais generalista, o Programa de Qualidade Total foi iniciado também com o objetivo de aprimorar o relacionamento entre os funcionários do Centro de Pesquisa, seus fornecedores e clientes, através da mudança de conceitos e da realização de suas atividades habituais de maneira inovadora e integralmente gerenciada.

Menu